LOGOS (2).png

            Quando começamos a pensar sobre esse projeto questionávamos nossa identidade étnico-racial, estávamos nos construindo enquanto pessoas negras e buscávamos perceber que esta identidade que é (re)construída a partir de relações entre-tempos, vinha de um passado no qual nem sempre nos pertencera. Um passado histórico que fora apagado e silenciado, nos livros, nas canções, nos documentos-monumentos da cidade. Com algumas questões martelando acerca da história do negro no Ceará falávamos sobre “buscar na memória”.

Mas afinal o que é memória? Segundo Jacques Le Goff, seria a propriedade de guardar/conservar certas informações, passadas ou interpretadas como passadas. Informações físico-psíquicas. Guardada nos corpos através dos sentidos. A memória age sobre o que foi vivido e recupera aquilo que outrora fora submerso. 

 

            Partimos de memórias de indivíduos nunca isolados a fim de construirmos uma memória coletiva do que seria também uma história local. Este projeto propõe ser a ponta de lança de uma pesquisa histórica – iconográfica - a fim de registrar e dar materialidade à memória de sujeitos - pretas e pretos - do Sertão Central, mais especificamente no coração dele, na cidade de Quixeramobim.

 

            Partimos de um desejo de ouvir. Andamos pelas ruas da cidade à procura destes e de outros para saber o que elas e eles têm a nos contar ou mostrar. Procuramos fotografias, cartas, histórias. Enquanto historiadora e pesquisadora em formação, vejo potencia nos arquivos. Eles são elementos que enriquecem a narrativa, acabam sendo dispositivos que acionam memórias, fazendo com que o entrevistado rememore as cenas e descreva melhor suas ações e a própria ação do tempo.

Esperamos ser surpreendidos. A investigação muitas vezes é como brincar de cabra-cega. Estamos a seguir pistas. O destino nos apresentará surpresas. Temos algumas teses sobre a cidade e sobre os negros que aqui viveram, agora em outro tempo buscamos ver a cidade de Quixeramobim a partir destas identidades negras, a fim de conhecer formas atuais de resistências, exploradas através de relatos orais e demais tradições.

          Nós, enquanto seres históricos, buscamos contar para o outro, assim como para nós mesmos (mulheres negras e homens negros) a nossa história, porém não como sujeitos vencidos, e sim como seres de ação, produtores e consumidores de cultura, capazes de (des)construir realidades, espaços e tradições. Procuraremos garantir esse direito de memória através de registros orais e visuais, de tal forma que os próprios sujeitos abordados sejam os responsáveis pela (re)criação de suas experiências, procurando também afirmar a diversidade étnica, etária e de gênero.

           Realizamos - e continuaremos realizando - uma serie de entrevistas com pessoas negras para construir um acervo-memorial das histórias. Temos como objetivo criar uma ferramenta didática para professores e alunos da região e demais interessados nesta proposta. Aqui neste site-acervo reunimos nossas pesquisas, conversas e arquivos de memória. Esperamos que as próximas gerações de Professores e Estudantes, Pesquisadores, Historiadores, Artistas, Curiosos e demais interessados nas temáticas possam encontrar por aqui a história de seu passado ou presente negro. 

              Bem vindas e bem vindos ao Projeto Identidade e Resistente - Pesquisa e memória do Povo Negro de Quixeramobim/CE. 

                                                                                                                           Texto por Elen Andrade

LOGOS (3).png
ciclo de leitura (1).png
ciclo de leitura (1).png
ciclo de leitura (1).png
ciclo de leitura (1).png
ciclo de leitura (1).png
ciclo de leitura (1).png
Realização
ressonancia%20preta_edited.png
LOGOS.png
Apoio